Os vereadores da câmara municipal de Várzea Alegre uniram forças nos dois primeiros anos de mandato, inclusive abrindo mão de parte do salário para que o então presidente naquela ocasião Alan Salviano pudesse fazer uma economia e construísse a sede própria do poder legislativo.

A tática deu certo e os vereadores em tempo recorde pisaram nas dependências da casa própria, estava então construído o prédio que passou a ser sede própria do legislativo.

Passado os dois anos de gestão do Alan Salviano, foi eleita uma nova mesa diretora e como presidente o jovem José Denner Bitú Costa. Desde a primeira conquista os edis passaram a sentir o ardente desejo de sentarem nos seus respectivos gabinetes para atenderem em um local adequado.

Porém, para que isso acontecesse faltavam os moveis planejados que tornariam os gabinetes padronizados, e assim, a câmara municipal teria todas as condições de mostrar para o público a sua beleza e comodidade. Só que o sonho para alguns edis, passou a ser um pesadelo, ir diariamente aquele prédio e não puder adentrar ao seu legitimo lugar incomodava.

Foi basicamente a partir desse pensamento que o vereador Antônio Alcântara que inclusive faz parte da mesma bancada do presidente, demonstrou inquietude e cobrou do Dener que o mesmo desse uma posição: tanto da aquisição dos equipamentos das salas como também esclarecesse o destino do dinheiro daquela casa.

Logo o edil ganhou o apoio dos colegas vereador Michael (PT) Martins e da vereadora professora Dedê (PCdoB) respectivos da bancada de oposição. O clima não pareceu ficar bem, pois logo o presidente se manifestou esclarecendo alguns pontos, porém, não convenceu os companheiros vereadores. A bancada de situação que viveu após a eleição dias tensos de insatisfação, pode ter acendido um novo estopim que deverá queimar nos próximos dias.

Nossa reportagem teve acesso a palavra do presidente que disse achar normal o momento.