A ideia ganhou vida pela Fundação Edson Queiroz desde 2003, a iniciativa tem o objetivo de informar e encorajar a população para ampliar o número de doadores, o movimento funciona uma vez por ano.

A 17ª edição do movimento Doe de Coração iniciou dia 2 de setembro, com ações informativas e de conscientização sobre a doação de órgãos e tecidos. Realizado anualmente pela Fundação Edson Queiroz desde 2003, o movimento, que conta com o apoio de diversos órgãos e entidades públicas da saúde e de empresas de vários segmentos econômicos, tem o objetivo de informar e encorajar a população para ampliar o número de doadores.

Durante o mês, a cidade vai se vestir de solidariedade. Além de panfletos, cartazes e outros materiais informativos, 5 mil camisas com a marca Doe de Coração serão distribuídas entre alunos e professores da Unifor, funcionários do grupo Edson Queiroz, além de profissionais da saúde e pacientes de hospitais públicos e privados do Ceará, com os quais a Fundação Edson Queiroz firma parceria para amplificar as ações de estímulo à doação. A camisa leva a tradicional marca do movimento, que este ano foi redesenhada pelo artista plástico Totonho Laprovitera.

No primeiro dia do Doe de Coração 2019 será montado no Centro de Convivência da Unifor, um balcão tira-dúvidas e um selfie point, no qual as pessoas poderão gravar vídeos falando da importância de ser doador. As mensagens serão divulgadas nas redes sociais ao longo da campanha. As ações de informação, conscientização e mobilização passarão por vários pontos da cidade durante todo o chamado “Setembro Verde”, mês em que é celebrado o Dia Nacional de Doação de Órgãos, festejado no dia 27 de setembro.

Com o intuito de alcançar e impactar o maior número de pessoas possível, as ações do movimento incluem também a veiculação de anúncios em jornais, portais de notícias, rádios e emissoras de televisão.

Nova identidade visual da Doe de Coração foi concebida pelo artista plástico Totonho Laprovitera — Foto: Unifor

Programação

Nesta edição, uma das novidades na programação é a realização de um fórum com alguns dos principais especialistas em transplante de órgãos e tecidos do Ceará e do Brasil. Com o tema “A legislação brasileira e suas barreiras”, o fórum vai discutir os principais entraves legais que dificultam a doação e o transplante de órgãos no Brasil. A discussão acontece dia 25 de setembro, na Unifor.

Antes, no dia 21, acontece uma caminhada pela área verde do Parque do Cocó, em parceria com as associações em prol da doação de órgãos. Já no dia 27 de setembro, Dia Nacional da Doação de Órgãos, o movimento vai para a Praça do Ferreira, levado informação aos transeuntes. Ao longo do mês, as ações passarão ainda pelo Terminal de Messejana, Terminal do Papicu, Avenida Beira Mar e Terminal da Parangaba.

Serviço

https://g1.globo.com/ce