Em meio às discussões sobre o novo coronavírus, perdeu a validade a medida provisória (MP) 898/2019, que garantiria o 13º salário do Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada (BPC). A comissão mista que discutia o tema aprovou o parecer do relator, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), em 3 de março, mas o texto precisava passar pelos plenários da Câmara e do Senado.
Para que não perdesse a validade, as duas votações precisariam acontecer até terça-feira (24/3). A versão aprovada pelos parlamentares tornaria permanente a política adotada no ano passado pelo governo e estenderia a parcela extra a idosos e deficientes de baixa renda que recebem o BPC.
A versão enviada pelo presidente Jair Bolsonaro previa o 13º apenas em 2019 e ao Bolsa Família. Randolfe criticou a “demagogia” do governo, que deixou a MP caducar. “Essas famílias, mais do que nunca, vão precisar desses benefícios e o governo demagogo barrou. É um covarde!”, disse, no Twitter, nesta quarta-feira (25/3).